La Crêperie de Hampstead: um “corner” francês em Londres

Soundtrack: Paris Match   Style Council

Antes de ir para Londres, vivi em Paris. E foi muito bom chegar em terras inglesas e encontrar um carrinho oferecendo o autêntico crepe francês perto de casa, no bairro de Hampstead, onde morei.

La Crêperie de Hampstead  está há mais de 30 anos em um cantinho da Hampstead High Street, a rua principal, onde encontram-se vários restaurantes, pubs e lojas legais.

O bairro está localizado ao norte de Londres e é bem conhecido pelo seu parque, o Hampstead Heath. É fácil chegar pela northern line, linha preta do metrô. Como é uma delícia passear por ali, não resulta em nenhum sacrifício se deslocar um pouco da zona central da cidade para comer um crepe por lá, além de aproveitar as outras atrações da região que falarei em breve por aqui.

Fã de um bom crepe que sou, “almocei” muito naquele carrinho. Foram tantos domingos, que até fiquei amiga da menina que servia na época, uma francesa de Strasbourg. Assim, eu também praticava o meu francês.

Apesar das inúmeras opções do menu, como sou básica, meu pedido era sempre o mesmo: um crepe de presunto com queijo gruyére e, se ainda encontrasse um lugar na minha gula, de sobremesa, um crepe de chocolate belga. Até hoje é assim quando vou para Londres e visito o carrinho.

O legal é pedir o crepe e arrumar um banco para sentar e saboreá-lo curtindo o movimento. A fila em certos dias pode ser bem longa, mas vale a pena esperar pela sua vez.

Hummm….Escrevendo este post aqui, lembrei que  preciso programar um pulinho em Londres logo mais para um crepe e outras coisinhas da cidade que eu tanto adoro!

Até!

Fabi Por Aí 

Fotos: internet (não tenho nenhuma foto do carrinho 😦 )

La Crêperie de Hampstead

7 Hampstead High Street
London NW3 1RE
Metrô: Hampstead 

Horários: Seg  a Sáb 13:00 – 23:00 e Dom 13:30 – 23:00


Anúncios

“Piscine Pontoise”: nadar em Paris pode ser bem divertido

Soundtrack: Les Nuits Parisiennes   Louise Attaque

Em Paris, cada Arrondissement tem sua piscina pública. E que piscinas públicas!!! Uma surpresa…Limpas e bem equipadas! Quando morei na cidade, frequentei algumas, principalmente a de Saint Germain que era pequena e aconchegante. Nadei muito para tentar manter a forma, diante de tantas tentações, vinhos, queijos e baguettes francesas.

Mas, tem uma piscina em especial, que vale um post e uma visita. A Piscine Pontoise.

Localizada no Quartier Latin, 5º Arrondissement, o edifício art deco da piscina é sensacional. Foi construído em 1933 pelo arquiteto Lucien Poullet. Gosto muito das cabines com portinhas azuis que rodeiam a piscina de 33 metros. São 160 ao todo distribuídas em dois níveis. O teto de vidro, que permite a entrada de luz natural, é outro detalhe bem charmoso da arquitetura.

Se você for fã dos filmes da trilogia francesa A Liberdade é Azul, A Igualdade é Branca e A Fraternidade é Vermelha, deve se lembrar muito bem das cenas da atriz Juliette Binoche nadando (em A Liberdade é Azul). Todas foram filmadas ali, na Piscine Pontoise.

E se curtir moda, como eu, a piscina já foi locação de um desfile do estilista Issey Miyake.

Na minha opinião, a melhor maneira de conhecer a Piscine Pontoise é durante a noite. A sessão noturna começa as 20h e vai até as 24h. Nesse período, a piscina ganha uma iluminação e músicaEu fui e achei imperdível. Uma experiência única: simples e ao mesmo tempo muito especial. Afinal eu estava nadando em uma piscina art deco, dos anos 30, em Paris, e à noite!  Como dizem os franceses: ulalala!

E vale uma dica: nade de costas, curtindo o visual do teto de vidro e do ambiente iluminado!

E já que estamos falando sobre piscinas parisienses, tem uma que quero muito conhecer. A Piscine Joséphine Baker, no 13º Arrondissement. Mais moderna, é uma piscina flutuante “ancorada” nas margens do Sena. E o melhor, ao ar livre. Nada mal nadar admirando aquela paisagem e os barcos no rio. Está na lista!

Et voilá! À la piscine!

Até!

Fabi por Aí

Para conhecer as piscinas parisienses clique:

http://piscine.equipement.paris.fr

Fotos: internet

Um Sábado no Mocotó

Soundtrack: A Cidade   Chico Science & Nação Zumbi

Outro dia, fui me aventurar na Zona Norte. Digo me aventurar, pois fica bem longe e “fora de mão” para mim…Finalmente conheci o tão falado restaurante Mocotó, o cantinho de comida nordestina da região!

Ele estava na minha lista de lugares e restaurantes para conhecer em São Paulo, mas as viagens nos fins de semana, a preguiça de me deslocar para muito longe de casa dentro da cidade, as famosas esperas por uma mesa…deixaram o Mocotó esperando um pouco.

Mas eis que em um sábado combinei com amigos e o Ike e partimos com mapa na mão rumo à Vila Guilherme, ou mais precisamente, Vila Medeiros. Sem errar o caminho, que se mostrou uma “reta só” nas “quebradas” do bairro, chegamos.

E como escolhemos um horário “entre refeições”, sentamos de primeira! Achei que o Ike e o Edu estavam brincando com a gente, mas era isso mesmo: “a próxima mesa é de vocês.” Fácil assim.

 

O ambiente é bem democrático e descontraído, com um bar de cachaças. No cardápio, muitas opções e preço bom. Deu vontade de experimentar tudo, mas tivemos que selecionar. Fomos de dadinhos de queijo coalho com tapioca (tudo de bom), linguicinha com cebola roxa e cachaça (boa e sem surpresas), baião de dois (valeu), feijão de corda (com muito coentro), e o especial do dia, costelinha de porco à moda do engenho recheada com pernil (super macia, uma delícia). Teve também caldinho de mocotó, não para mim, já que de mocotó só a geléia Colombo da infância, que por sinal era muito gostosa!

Coentros à parte em alguns pratos (sei que fui em um restaurante nordestino, mas este tempero é do tipo ame ou odeie e eu sou da turma “fica longe de mim”), tudo estava bem saboroso. Achamos até lugar para encaixar as sobremesas, pois tínhamos que experimentar um pouco de  tudo. Pudim de tapioca e crème brûlée de doce de leite. Delas, esperava mais.

Depois de toda essa orgia gastronômica nordestina, regada com batidinhas de coco e maracujá e muita Cajuína para a Cé e o Ike (outra fruta que fica fora das minhas preferências…), só faltou a rede para descansarmos um pouco antes de voltarmos para a “o lado de cá” bem felizes.

Agora que aprendemos o caminho e não precisamos mais de mapa e GPS, com certeza voltaremos várias vezes para continuar a degustação do cardápio (o escondidinho que vimos na mesa ao lado deixou vontade…).

Mas, da próxima vez, a minha primeira pergunta será: “seu moço, tem coentro?????”

Até!

Fabi Por Aí

Fotos by Fabi e Internet

Proteção Andina: Toritos de Pucará

Soundtrack: Moving Macaco e  Seu Jorge

É comum ver uma dupla de tourinhos nos telhados das casas do sul do Peru. Eu mesma me diverti fotografando alguns na região de Cusco e Puno. O nome deles? “ Toritos de Pucará.”

Os tourinhos originaram-se durante o período colonial  na comunidade de Checa Pupuja, localizada no estado de Puno, e conhecida pelos artesãos especializados em cerâmica. Os famosos tourinhos ganharam esse nome pois foi na estação ferroviária de Pucará, cidade a 100 km de Cusco, que eles começaram a ser comercializados.

Símbolos da cultura andina, os “ Toritos de Pucará” protegem as casas e trazem felicidade para as famílias que nelas habitam. Com detalhes em vermelho e o rabo enrolado, eles representam a força e vigor próprios de um touro.

E eu não comprei o meu tourinho…


Até!

Fabi Por Aí

Fotos by Fabi